sexta-feira, 9 de maio de 2008

Vulnerável até à morte

Dizem que há pessoas tão más, mas tão más que se não pagam nesta vida irão pagar na outra.
Pois eu digo que de facto há castigos muito maus.
Temos então o exemplo de um homem que era tudo menos pai, tudo menos marido, tudo menos amigo.
Tinha dois vícios: a maldade e o álcool.
Hoje ele é um farrapo humano, sem forças para lutar por si, resignado e cansado.
Hoje está internado e tem um cancro em fase terminal.
Hoje ninguém lhe liga, nem família, nem amigos, nem mesmo os responsáveis pelo seu destino.
Restam-lhe duas ou três pessoas que lutaram por ele quando estava na rua e que tudo fizeram para que fosse hospitalizado.
As mesmas que passam horas com os responsáveis pelo seu internamento para lhe dar alguma dignidade na vida.
Vamos esperar pela próxima semana e ver o que acontece, ou não!!

Um comentário:

Esperança disse...

Novidades frescas.
acabou de receber resposta e segunda-feira segue para uma unidade de cuidados continuados.
EIA!